quinta-feira, 12 de Agosto de 2010

Descobrir o Algarve


De todo o lado nos chegam notícias de férias. Todas as conversas, começam ou acabam, com perguntas ou desejos sobre este tempo de descanso, hoje plenamente consagrado e por todos assumido como uma fundamental necessidade. As preocupações sobre uma tal dita Crise, passaram para segundo plano ou mesmo desapareceram. Aqueles que vão chegando falam-nos de um mundo de gente pelas praias de Portugal, com especial incidência para o Algarve, onde parece que tudo se tem conciliado para criar momentos inesquecíveis. A quebra efectiva do número de turistas estrangeiros, vê-se superada, ou pelo menos próximo disso, pela avalanche de turistas nacionais que descendo a Sul, procuram o seu espaço de puro lazer estival. Não acreditando que o façam em resposta ao apelo do nosso Presidente da República, mas simplesmente e porque sugestionados por uma assumida necessidade de contenção, trocam os destinos estrangeiros pela areia branca das nossas praias. Dizem as notícias que até as águas a Sul se apresentam cálidas como já não havia memória. Descontando alguns entusiásticos exageros, acredito que estamos perante uma excelente oportunidade para o turismo algarvio. Apesar da enorme importância para a região e para o país que tem a vinda de turistas estrangeiros e a consequente entrada de divisas, acredito existir uma excelente oportunidade de conciliação com todos aqueles que não colocavam o Algarve como seu destino preferido de férias. Eu era um deles.

Durante muito tempo mantive com o Algarve uma relação difícil. Não que tenha experimentado intermináveis filas, de trânsito, de restaurante, de supermercado, em suma de tudo aquilo onde tradicionalmente se espera, não que as ementas em inglês me tenham criado uma especial dificuldade ou qualquer assumo de patriotismo, nem sequer me posso queixar dos preços praticados. A minha dificuldade de relação com o Algarve provinha sobretudo daquilo que ia ouvindo, criando uma imagem do destino com base nas más experiências de outros. No mínimo injusto, mas verdadeiro.

Um dia numa feira de turismo em Praga, a promotora de uma prestigiada unidade hoteleira algarvia em resposta ao meu constante azedume face à sua terra, falou-me da existência de outras realidades no Algarve, respeitadoras do equilíbrio com a natureza e totalmente integradas na paisagem, sem gritos e sem filas, zonas de características rurais, onde aqui e ali vamos descobrindo pequenas e deliciosas praias. Falou-me de um Algarve simples, genuíno, com uma forte tradição cultural de onde emanam usos e costumes singulares e uma gastronomia com forte influência do Norte de África. Este ano e por um breve período tive oportunidade de descobrir esse Algarve silencioso e sereno. Magníficas praias, excelentes infra-estruturas de apoio, inesquecíveis restaurantes, gente simpática e competente. Gostei. E ao olhar o Algarve agora não pelas vivências de outros mas pelos meus próprios olhos, confirmei aquilo que teimosamente tentava evitar. Que o Algarve é o melhor destino turístico nacional e que nele se encontram respostas para todo o tipo de cliente. Aprendi também, que o restante país turístico pode e deve aprender muito com os erros cometidos no Algarve e com o modelo e esforço de desenvolvimento que tem vindo a ser implementado. Em boa verdade, só o Algarve e a Madeira são verdadeiros territórios de turismo em Portugal. O resto, lamentavelmente, é paisagem.

Francisco Vieira
In Jornal de Leiria, 2010/08/12

Sem comentários:

Enviar um comentário